sábado, 18 de março de 2017

Laje nervosa




Thiago Jacaré Foto Luis Reis
Fabiano Tissot Foto: Rafa Shot
Andre Paulista Foto Rafa Shot

No último fim de semana (29 e 30/10), a ressaca que devastou boa parte da costa brasileira trouxe ondas gigantes para Santa Catarina. O gráfico na internet era tão assustador, que despertou o interesse de alguns big riders brasileiros para as grandes ondas da Laje da Jagua, em Santa Catarina.

Alerta vermelho, swell na área. Acionamos a equipe Atowinj para desfrutrar de mais um dia de big surf em águas brasileiras. A Jaguaruna ficou movimentada e big riders de vários cantos do Brasil apareceram, despertando a curiosidade da comunidade que admira o surfe e os ídolos da modalidade nacional.

Na trip estavámos eu (Thiago Jacaré), Fabiano Tissot, André Paulista, João Baiuka, Lucas de Nardi, Lucas Cohen, Rafael Becker, Ricardo Schwabe, Gabriel Herzmann, Paulos Moura, Luis Roberto Formiga, Dê da Barra, Guilherme Panda, Jorge Pacelli, Luis Casagrande, Marcus Peruchi e Pepeu. Nas captação de imagens ficaram Lucas Barnis, que fez os registros em vídeo, Rafa Shot e Luis Reis nas fotos, e ainda contamos com Beto Cavalo, que disponibilizou a lancha com o piloto Eduardo Faust e Marcos Vinicius, e a Go Home Drones, que também marcou presença e fez o registro aéreo do pico.

A sessão rolou com muita vibe. Chegamos na Laje e fomos direto encarar a direita, mas logo mudamos a direção, pois a esquerda estava menos perigosa, maior e abrindo bastante. A sessão ficou marcada por muitos fatores, só citando alguns: o destemido Fabiano Tissot, que encarou a sessão na remada; o desempenho do Formiga; a primeira vez no pico de Pepeu, Peruchi e Becker; a visita dos amigos Panda, De da Barra e Pacelli; e a pilotagem nota 10 de Paulista, Baiuka e Moura. 

Tissot estava alucinado, o cara extrapolou os limites da remada na Laje. Ficava debaixo do pico com sua Havenga 10,3 e botava pra baixo sempre nas mais cavernosas. Luis Roberto Formiga, aos 53 anos de idade, mostrou que está mais jovem do que nunca. Arrebentou com seu estilo de sempre, rasgando forte e mostrando que sabe muito quando o assunto é ondas grandes. Formiga foi pioneiro na Laje da Jagua, quando foi recém foi descoberta, em 2003. Aparecia em todo swell e foi fundamental para a divulgação do pico para o mundo, com as coberturas feitas pelo programa Extreme Tv e da ESPN Brasil. Além disso, é um cara que respeito e admiro muito. Digamos que ele é o nosso "mutante" do esporte brasileiro.

No fim da sessão, nos reunimos na água e agradecemos a Deus gritando o nome de Zeca Scheffer bem alto, um dos grandes desbravadores da Laje da Jagua. Por fim, ainda fomos recebidos na base da Atowinj com um churrasco padrão feito por Fabricio Gaivira.

Laje internacional


Thiago Jacaré Foto Rafa Shot

Fabiano Tissot Foto: Rafa Shot
Vento sul, frio e água gelada, fatores típicos nas ressacas do litoral sul do Brasil. Mas não foi isso que marcou o último swell em Santa Catarina. Praias como Silveira, Cardoso e Jaguaruna receberam grandes ondulações, garantindo a alegria da galera que curte o big surf.

O swell de sul/sudeste, com gráfico de 3 metros e período entre 13 a 14 segundos, fez com que a maior equipe de ondas grandes do Sul do país, a Atowinj, entrasse mais uma vez em atividade total. Foram três dias de ondas grandes na barca da equipe com Fabiano Tissot, João Baiuka, Thiago Jacaré, André Paulista, o amigo Vitor Rosoni e os uruguaios Luca Cohen e Juan Miguel, que tocaram de carro direto do Uruguai para Jaguaruna só para surfar a Laje da Jagua. O fotógrafo parceirão da equipe, Rafa Shot, registrou todos os momentos do dia.

Nos jogamos cedinho para o terral. A previsão mostrava que existia a possibilidade de o vento entrar cedo, então, às 7:30 da manhã já estávamos na Laje conferindo o pico. Chegando lá, vimos que o mar ainda estava acordando e as ondas estavam estranhas, mas sabíamos que era só questão de maré e troca de direção de swell. Não deu outra, o swell alinhou, o mar se definiu e percebemos que o surfe seria na esquerda do pico.

Logo Fabiano Tissot pegou uma gunzeira e foi dar uma remada padrão na esquerda da Laje. Ele ficou remando bem na parte rasa da bancada. Hoje é um dos caras que mais conhece a Laje e, por ter esse conhecimento, sabe bem onde se posicionar e dropar as melhores da série. No fim ele surfou muito e fez a cabeça remando nas bombas. O resto da galera encarou as ondas no tow in, curtindo muito o big surfe em águas brasileiras. Lucas, que veio do Uruguai direto para o Brasil com seu parceiro para encarar a Laje, ficou de cara com o potencial do pico. 
João Baiuka foto: Rafa Shot

"Já tinha ouvido muito falar sobre a onda da Jagua, sabia que era uma onda sinistra, só que não sabia que a onda era tão boa assim. Nem parecia que você estava no Brasil. Vi e surfei ondas com feeling havaiano", relatou Lucas Cohen.

Já de cabeça feita, todos voltaram à praia e agradeceram a Deus por mais um dia de big surf em território nacional.

Confira acima a sessão do dia, registrada por Rafa Shot. Aloha e até a próxima!
 

Equipe Atow-inj em Nazaré 20 metrosThia

Depois de um mês em Nazaré, Portugal, conseguimos surfar um mar que já caracteriza a verdadeira face do pico. Esse lugar é muito doido, as ondas dificilmente baixaram de 10 pés durante nossa passagem por aqui.
 
Thiago Jacaré Foto: Guilherme Delarue
Você acorda cedo, vê o mar, toma café, volta pro pico e o mar fica gigante. A moto aquática é quase que inevitável. Quando o mar tem tamanho, você precisa dela tanto para o tow in quanto para a remada. Ouvia muito Carlos Burle, Rodrigo Koxa, Vitor Farias, Alemão de Maresias, entre outros tantos brasileiros, falando que a investida para Nazaré era mais certeira do que ir pra temporada havaiana, e foi tiro certo.
 
Fabiano Tissot Foto: Manuel Ricardo
Durante todo o período surfamos altas ondas, e logo no penúltimo dia no pico entrou um swell consideravelmente grande, não dos maiores, mas um que deu pra sentir na pele que esse é, com certeza, o melhor e maior pico de ondas grandes do mundo.
 
Fechamos a barca com Sérgio Cosme, David Langer, Nuno Santos, Marcelo Luna, Fabiano Tissot e eu. Tivemos um apoio de beira de praia com Lino Bogalho, da Tow In Logistics, e do representante do munícipio, Pedro Pisco. Nosso jet estava com problemas, então surfamos com o jet do amigo Marcelo Luna, que logo no início da sessão surfou uma bomba, se machucou e teve que se retirar da água. Fabiano Tissot fez dupla com David Langer, surfou boas ondas ao lado dele e ainda contou com o caldo mais sinistro do dia.
 
Nuno Santos (português) dropou umas e depois ficou dando apoio no resgate na frente da arrebentação. Sérgio Cosme, surfista também português, foi quem me puxou nas bombas. O cara, com certeza, é um dos que mais conhece o pico, além de me colocar muito bem nas ondas, resgata sempre com muita segurança. No fim do banho, ainda coloquei Sérginho numas bombas e ele foi consagrado com boas ondas.
 
Thiago Jacré Foto: Abel Precedes
Foi um dia legal e com uma vibe muito boa. Finalizamos a trip com uma bela janta no restaurante da Celeste, do grande amigo e fotógrafo André Botelho.
 
Portugal é maravilhoso, Nazaré mais ainda. Fizemos grandes amigos, em especial Abel Precedes, André Botelho, Guilherme Soares, Manuel Ricardo, Guilherme Delarue, Lino Bogalho, Pedro Pisco, Sonya Jardim, Rita Durães, entre tantos outros. Agradecer a “Red Chargers” pelo empenho na divulgação do pico, ao  site nazarewaves.com e ao Município de Nazaré pelo empenho ao big surf.

Equipe Atow-inj desafia as poderosas ondas de Nazaré

Thiago Jacare Foto: Yurico David

Fabiano Tissot Foto: Manoel Ricardo
Thiago Jacaré Foto Abel Precedes
Com a estrutura toda montada, swell à vista, equipe organizada, elaboramos como seria encarar pela primeira vez as ondas de Nazaré já com um bom tamanho. Depois de 1 mês no pico, fomos abençoados com um bom swell, e já deu pra sentir e conhecer bem como é a onda na bancada. Realmente, o que tenho a dizer é o seguinte: aqui o bicho pega, e pega pra valer. 

Acho que a pior parte da parada é mesmo a pilotagem, pois não basta ser bom, tem que ser excelente. O inside lá é muito sinistro, algo que acho que não existe em nenhum outro lugar. Aqui fizemos muitos amigos, entre um em especial, Sergio Cosme, que deu apoio total à equipe da Atowinj Big Waves Surfers na empreitada de encarar as bombas de Nazaré.

Colamos também no experiente Lino Bogalho, proprietário da Arebiri (Tow In Logistic), maior logística para surfistas de ondas grandes do pico. Lino tem de tudo, e tem como grande amigo Pedro Pisco, que trabalha no município e ajuda a desenvolver os projetos em prol do surf na cidade de Nazaré.

O swell entrou bom, não gigante, mas o suficiente para dizer que o dia foi de big surf. Armamos a barca com vários surfistas: Sergio Cosme, Paulo Marques, Nuno Santos, David Langer, Bruno Valente, Fabiano Tissot, Marcelo Luna, Kalani Lattanzi e eu.

A saída pra encarar as morras é sempre pelo porto de Nazaré. Você navega alguns minutos e chega na frente do penhasco. A parada explode no Farol com tanta violência que você já sente na pele. Existem três picos: o primeiro, que quebra de frente para o Farol e geralmente tem esquerdas e que se cair você pode se dar mal; o segundo pico quebra mais afastado pra frente da praia do Norte e o terceiro pico, que quebra mais para o meio da praia do Norte, bem mais fora que os outros dois.

A onda pode quebrar de 6 a 100 pés de face, tanto esquerdas como direitas, e rolam sessões tanto de tow in como  de remada. Nesse dia fizemos um tow e Kalani Lattanzi foi o único que vi surfando na remada. O moleque é muito casca-grossa e sangue bom.

Na água, trabalhamos muito em equipe, pois a onda de Nazaré exige isso. Quanto mais segurança você tiver, melhor, tanto pelo resgate do surfista como da sua própria prancha. Então, sempre quando um jet puxa um surfista, já tem outro jet de olho preparado para o resgate. 

Felizmente tudo deu certo e pegamos altas ondas com sol, água boa e uma vibe indiscutível. No fim, fomos ao restaurante Celeste, onde trabalha o amigo e fotógrafo André Botelho, pico em que toda galera do big surf se reúne depois do banho. 

Agradecimento especial a toda comunidade de Nazaré e aos fotógrafos Abel Precedes, Manuel Ricardo, Vitor F. Estrelinha, Yuriko David, Jorge Figueira, Guilherme M. Soares, Rafael Riancho, Melina Sinessiou e André Botelho.


domingo, 3 de janeiro de 2016

ATOWINJ vai desafiar as maiores ondas do Mundo " Nazaré em Portugal"

Garret Macnamara
O surfista catarinense Thiago Jacaré e o gaúcho Fabiano Tissot estarão embarcando no dia 5 Janeiro para Portugal, onde lá irão representar o sul do Brasil nas maiores ondas do mundo, nas gigantescas ondas de Nazaré. Juntos vão se unir á um grupo de portugueses locais que conhecem bem a onda e o lugar. A idéia é ir para Nazaré levar equipamentos de alto nível tanto para o tow in como para remada e comprar um jet para montar uma base da atowinj por lá. Fabiano Tissot e Thiago Jacaré se conheceram la em 2003 na época em que a Laje da Jagua foi descoberta para o surf de ondas grandes. A trip tem uma idéia na mente que é homenagear o grande amigo surfista de ondas grandes falecido "Zeca Scheffer" desbravador da Laje. " Todo essa história de envolvimento ao big surf devemos ao Zeca, ele foi o cara que mudou a história do surf de ondas grandes no Brasil, relatou Thiago Jacaré".
Fabiano Tissot  Laje da Jagua Foto Lucas Barnis

A equipe viaja agora no dia 05 Janeiro e a idéia é ficar um bom tempo por lá até encaixar um grande swell. Nazaré hoje é conhecida pela mídia como o lugar que quebram as maiores ondas do mundo, o pico recebe ondas de 6 á 100 pés. O projeto conta com apoio da Mormaii, Nob, Shapers fins, Rise Up, Manga Wax, Havenga, Pacelli, Satto, grillo e M.Morona.
Thiago Jacaré Laje da Jagua Foto Lucas Barnis

terça-feira, 27 de outubro de 2015

Equipe Atowinj exibe limpeza da bancada da Jagua e queda no pico. Confira o vídeo.

No último fim de semana, a equipe Atowinj decidiu explorar ainda melhor a bancada das poderosas ondas de Jaguaruna, com o intuito de verificar possíveis redes de pescas presas na bancada, que acabam agredindo as espécies de animais que ali habitam.
No dia seguinte à limpeza, um swell de sul entrou no pico e a equipe aproveitou para surfar algumas ondas. Confira o vídeo. 

segunda-feira, 10 de agosto de 2015

Laje da Jagua - Swell surpresa

Thiago Jacare Foto: Lucas Barnis
Thiago Jacaré Foto: Lucas Barnis
Nem bem pagamos as contas do último swell na Laje da Jagua, e logo entrou outro ainda melhor na última quinta-feira. Estamos em período de espera da gravação do programa do canal Off Desejar Profundo, que conta com a participação do campeão mundial ondas grandes Carlos Burle. 

Quando verificamos os gráficos na internet, já sabia que esse poderia ser o dia “X“ para a gravação do episódio. Entramos em contato com Burle, mas ele estava na Califórnia e não chegaria a tempo no Brasil. Lamentamos sua ausência, mas começamos agilizar toda função da barca que envolve uma mega logística. 

Liga pra um, liga pra outro, agiliza aqui, ali, lá e tudo pronto para encarar mais um dia de Hawaii em pleno território nacional. Na barca, Lucas Barnis, Felipe Vieira, Fabiano Tissot,  João Baiuka, André Luiz, Marcos Savelha, Fábio Mia, Marcelo Galizio, Thiago Jacaré e Luciano Burin, que contou com sua equipe de registros. Burin, que está gravando cenas para o documentário "A Pedra e o Farol”, contratou um barco com o piloto casca-grossa Beto Cavalo e aproveitou o momento para registrar alguns cliques da session e incluir no filme que passa por fase de finalização. 
João Baiuka Foto: Lucas Barnis
J

Na água, assim que chegamos ao pico, Fabiano Tissot pegou sua gun Havenga 10'3 oceânica e se jogou na água. A onda nesse dia era apenas a direita do pico. Tissot surfou quatro ondas no braço, mas as condições não estavam muito boas pra remada, era dia de tow in. De início, fui pro cabo e rebocado nas ondas por João Baiuka, que pilotou muito nesse dia. Logo de cara já peguei uma bomba lá de trás com mar lisinho, desci reto mirando na pedra e vi que o dia seria especial com altas ondas. Surfei mais umas ondas e depois já fui pra rebocar a galera. O primeiro foi João Baiuka, que nesse dia estava fora da casinha passando sempre no limite da guilhotina da bancada. Podemos dizer que Baiuka levou a bateria na água, o cara surfou pra caramba fazendo toda galera no canal ir à loucura. 

Na sequência, puxei André Luiz, um amigo local da praia de Itapiruba, em Laguna. André quebra na vala com pranchinha e sempre foi fissurado pra descer uma morras na Jagua. Nesse dia ele foi consagrado com boas ondas que lhe renderam certamente a maior onda da vida. Depois finalizei as puxadas com Fabio Mia, Savelha e Felipe Vieira, que todo swell se joga de Florianópolis e vem curtir as ondas da Laje.  
André Luis Foto: Lucas Barnis


Foi um dia animal, altas ondas, mar liso, água boa e uma vibe inesquecível com os amigos. Só temos a agradecer mais uma vez a Deus por nos presenciar boas ondas com big surf aqui mesmo no Brasil.
Aloha e até a próxima!!!




Laje da Jagua- Feriado casca-grossa



Já estávamos no mês de maio, e ainda não havia entrado nenhum grande swell no sul do Brasil este ano. As expectativas eram grandes, justamente porque o ano passado foi fraco de grandes ondulações. Este ano já havíamos surfado boas ondas em Jaguaruna e no Farol de Santa Marta, mas todas com swells pequenos que não passaram de 8 a 10 pés.

No último dia 1 de maio, Dia do Trabalhador, fomos comemorar o feriado com um treino forte na rasa bancada da Laje da Jagua. Em nossa barca, estávamos acompanhados da equipe Atow-inj com os cinegrafistas Lucas Barnis, Luciano Burin, Christian Jung  e os surfistas João Baiuka, Luiz Casagrande, Fabiano Tissot, André Luiz, Gabriel Galdino e Thiago Jacaré. 

Unimos as forças e equipamentos e nos jogamos pra encarar mais uma Laje, a terceira do ano. O surf no pico estava tenso, ondas pesadas, bancada exposta e um surf muito radical. Como o surf era na direita do pico, revezamos entre a remada e o tow in. Começamos na remada, e logo eu e o Tissot nos jogamos pra ver se arriscávamos algumas ondas. Fiquei lá fora com uma gun Havenga 10'3 e remei durante meia hora e não peguei nenhuma onda. Tissot, com uma prancha menor (7'0), ficou mais embaixo e descia algumas no chupa cabra.

No resgate estava Sapão, que vem evoluindo e ganhando espaço a cada swell que passa.  Cada vez que surfamos na Laje, vimos que ainda temos muito que conhecer sobre o pico, pois as ondas não estavam grandes, séries de no máximo 8 a 10 pés, e do nada entrava uma bomba lá fora, no segundo reef, que surpreendia a todos.

Não sei exato o tamanho, mas certamente passava dos 15 pés de face, provando mais uma vez  que a Jagua é uma caixinha de surpresa. Tissot ficou remando e eu fui pro jet pra puxar o resto da galera no tow in. Sapão foi o primeiro e representou mirando a bancada quando largava o cabo. Depois puxei André Luis, que teve sua primeira experiência no pico, e logo de cara tomou um caldão ficando 15 segundos debaixo dágua. Na sequencia puxei João Baiuka, dono da base no Farol. Baiuka surfou uma das maiores do dia, uma onda mutante que quase o engoliu nas pedras.
Galdino pilotou para os caras que estavam registrando, e foi o último que reboquei, mas mesmo assim pegou boas ondas e sempre procurou a bolha na pedra.  Tissot ficou o tempo todo na remada e conseguiu surfar algumas bombas Ao final da sessão, mostrou surpresa com a quantidade de água que passava na rasa bancada da Laje. “Esse pico é inacreditável. Quando você acha que já sabe tudo sobre ele, você é surpreendido. Uma hora a gente encaixa a bomba”, disse Fabiano.
Ficamos durante cinco horas lá fora e aproveitamos para treinar em condições maiores. Na volta agradecemos a Deus e a Zeca (em memória) por mais uma Laje surfada com segurança, pois só quem já foi lá sabe do perigo que é surfar aquela onda. Na sequência, quando chegamos à praia, lavamos todos equipamentos e fomos pra base no Farol de Santa Marta curtir noas ondas na praia do Cardoso, finalizando o dia em alto astral.
Aloha e até a próxima!!

segunda-feira, 16 de fevereiro de 2015

Atletas ATOW-INJ na briga pelo prêmio Greenish 2015

Prêmio Greenish Brasil chega a sua nona edição e a votação vai até o próximo dia nove. Os internautas podem ajudar a eleger as melhores performances de 2014 e o anúncio dos vencedores é realizado no dia 12 de março, em Fortaleza.
São R$66 mil distribuídos para os ganhadores e cinegrafistas, além de viagens para as ilhas Mentawaii, na Indonésia, a bordo do barco Star Koat.
Fabaino Tissot Foto: Lucas Barnis
A equipe da ATOW-INJ está concorrendo pelo terceiro ano seguido e vem como forte candidato com três ondas inscritas no evento. Essa surfada pelo gaúcho Fabiano Tissot na Laje da Jagua, em Jaguaruna com sua Gunzeira 10,6.

Thiago Jacaré Foto: Rafa Shot
Outra surfada pelo surfista da Jagua Thiago Jacaré em uma morra no Farol de Santa Marta - Cardoso - com sua gun 10,3.

E a terceira onda também surfada na Laje da Jagua, em Jaguaruna pelo paulista André Teixeira, usando uma gun 10,3.
André Paulista Foto: Lucas Barnis


Acessem o link da maior ondas e votem nos atletas da Atow-inj:

* Fabiano Tissot

* André Paulista

* Thiago Jacaré

LINK: http://www.greenish.com.br/premio/votacao/

Lucas Barnis e Christian Jung registram swell que bombou na Laje da Jagua (SC) no último fim de semana. Confira o vídeo.

Swell 31 Janeiro de 2015 equipe Atowinj Fabiano Tissot, Gabriel Galdino, Luiz Casagrande, Carlos Piri, Lucas Barnis, Chirstian Jung e Thiago Jacaré

Matérias da Jagua